Deputados defendem mais verba para assistência social

Representantes do governo estadual apresentaram melhorias no financiamento da política de assistência social nos últimos anos, mas parlamentares e convidados apontaram a insuficiência das ações para atender efetivamente a população necessitada do estado.

Representantes do governo estadual apresentaram melhorias no financiamento da política de assistência social nos últimos anos, mas parlamentares e convidados apontaram a insuficiência das ações para atender efetivamente a população necessitada do estado.

Nesse sentido, deputados defendem a construção de consenso na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) para a derrubada de veto do governador Romeu Zema, do Novo, a dispositivo da lei orçamentária que pode ampliar os recursos para a área. O debate foi realizado na manhã dessa terça-feira pela Comissão de Assuntos Municipais e Regionalização e teve como foco o Fundo de Erradicação da Miséria (FEM).

Criado em Minas Gerais a partir da Lei 19.990, de 20211, o FEM teve como fonte de receitas o aumento do ICMS sobre alguns produtos. O que os deputados que participaram da reunião denunciaram, porém, é que os valores assim arrecadados têm sido desviados para outros gastos do Estado.

De acordo com o deputado Lucas Lasmar, da Rede, entre 2020 e 2022, 40% da verba foi direcionada para transporte escolar e 22% para pagamentos de salários e gratificações de profissionais que não atuam na assistência social.

Felipe Magno Parreiras de Sousa, subsecretário de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), justificou que a lei de criação do fundo permite que órgãos e entidades destinem recursos do FEM para pagamento de pessoal ou custeio, considerando a atuação finalísticas dos agentes de programas e ações beneficiadas.

De acordo com o subsecretário, R$141 milhões foram alocados para financiamento de despesas de pessoal da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese), considerando a sua atuação nas políticas relacionadas ao FEM. No ano de 2017, foram feitas aquisições de veículos para a execução da política de transporte escolar, e de 2018 em diante, a efetivação se deu por meio de transferência.

Os valores gastos, segundo Felipe de Sousa, correspondem a aproximadamente 25% das receitas arrecadadas, considerando que o adicional de 2% do ICMS compõe base de cálculo para aplicação mínima em educação (25%).

Garantir o efetivo uso dos recursos do FEM para ações de erradicação da miséria foi a intenção da emenda orçamentária, aprovada em 2023, que atrela R$ 1 bilhão do FEM ao Fundo Estadual de Assistência Social (Feas). O governador Romeu Zema, porém, vetou o dispositivo.

SOBREGARGA – O Sistema Único de Assistência Social (Suas) segue o modelo de cofinanciamento, de forma que União, estados e municípios devem destinar recursos a ele. O Secretário Nacional de Assistência Social, André Quintão, participou do encontro e apresentou alguns dados da participação da União na política.

De acordo com ele, na transição para o governo Lula, do PT, entre 2022 e 2023, foi ampliada a previsão de recursos para 2023 de R$ 56 milhões para R$ 2,2 bilhões. Ele disse que toda a verba foi repassada regularmente ao longo do ano.

O governo mineiro, porém, tem destinado recursos insuficientes para a política, segundo os presentes. Estudo realizado por pesquisadores da UFMG e da Fundação João Pinheiro foi apresentado pelo economista André Veloso. Ele apontou que o piso mineiro da assistência social atualmente é de pouco mais de R$ 2 por família cadastrada no CadÚnico.

O recurso é repassado pelo Estado para os municípios a partir da base de cadastrados de maio de 2021, mas, de acordo com o estudo, até dezembro de 2023, o número de famílias cadastradas aumentou, em média, 80% nos municípios. Assim, o repasse tem sido insuficiente e os municípios têm arcado com a maior parte da política assistencial.

Representantes de algumas prefeituras municipais estiveram presentes e ressaltaram a necessidade de se derrubar o veto do governador, para garantir o cofinanciamento da assistência social entre prefeituras e governo estadual. Eles ressaltaram que além da urgência em se financiar políticas de transferência de renda, há a necessidade de se construir ou reformar equipamentos públicos e ampliar o atendimento para públicos específicos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recomendadas a você

Câmara celebra 50 anos de Sindicato
Câmara celebra 50 anos de Sindicato
MDS discute problemas sociais da região
MDS discute problemas sociais da região
Quilombo Monte Alto comemora anúncio de asfaltamento de ruas
Quilombo Monte Alto comemora anúncio de asfaltamento de ruas
Deputado quer reforçar a segurança
Deputado quer reforçar a segurança
Câmara propõe ao Senado DPVAT facultativo
Câmara propõe ao Senado DPVAT facultativo
Unimontes lamenta a morte de ex-deputado
Unimontes lamenta a morte de ex-deputado
Prefeitura anuncia investimentos de R$ 31 mi
Prefeitura anuncia investimentos de R$ 31 mi
VEREADOR
Câmara quer mudar seguro obrigatório
Comissão aprova incentivo às energias renováveis em projetos de irrigação
MP lança projeto em busca de parceria com poderes públicos
Reunião na AL destaca avanço do Plano Safra
Governo garante R$ 872 mi para transporte escolar
Urna eletrônica terá nova voz para eleitores cegos ou com baixa visão
PL apresenta pré-candidato à Maçonaria
Prazo para filiação a partido político acaba neste sábado
Audiência na Assembleia aponta entraves para pacientes em Minas
Emater investe R$ 2,6 mi em qualificação de colaboradores
Reforço na fiscalização ambiental em Minas
Dupla detida suspeita de tráfico de drogas
Homem condenado a 14anos de prisão por homicídio
Pássaros da fauna silvestre apreendidos