Cresce o mercado pet no Estado

Nos últimos anos, o Brasil tem presenciado um crescimento exponencial do mercado pet. Minas Gerais, como um dos maiores Estados do país, não foge a essa tendência.

Nos últimos anos, o Brasil tem presenciado um crescimento exponencial do mercado pet. Minas Gerais, como um dos maiores Estados do país, não foge a essa tendência. Esse crescimento, impulsionado pelo aumento da população de animais de estimação e pela mudança na percepção social sobre os pets, que hoje são considerados membros da família, abre um leque de oportunidades para o setor, mas também exige maior responsabilidade por parte das empresas que atuam nesse nicho.

Infelizmente, essa ascensão nem sempre é acompanhada por práticas adequadas e éticas. Recentes manchetes em todo o país, como a do cão Candinho, que há oito anos, foi adotado por funcionários do metrô de Belo Horizonte e que estava sendo expulso pela nova concessionária do transporte e a pela repercussão da morte de Joca, um dos Golden Retriever que sofreu em um só dia, três viagens exaustivas, por engano de uma companhia aérea.

Esse e outros casos do tipo, acontecem todos os dias e expõem falhas graves no tratamento e na segurança dos animais de estimação. Essas trágicas ocorrências evidenciam a necessidade urgente de ações por parte dos órgãos públicos para garantir o bem-estar animal e a proteção dos consumidores e suas mascotes em um mercado que não para de crescer.

A pesquisa, elaborada pelo Núcleo de Estudos e Inteligência da Fecomércio MG, tem como objetivo apresentar um panorama detalhado do Mercado de Petshop em Minas Gerais, explorando seus diversos aspectos, desde o perfil dos consumidores até as tendências de consumo, demonstrando a crescente economia desse setor.

Tendo em vista a importância, cada vez mais crescente, do segmento de Pet Shop, o núcleo de Pesquisa e Inteligência da Fecomércio MG realizou uma pesquisa com o intuito de disponibilizar uma visão do cenário dos pet shops em Minas Gerais. O mercado de pet shop no Brasil se destaca como um gigante em constante expansão, representando um importante nicho na economia nacional.

Em 2022, o total de pets no Brasil era de 167,6 milhões, valor 3,6% superior que o observado em 2021. Por sua vez, em 2023, a indústria pet (alimentação, acessórios e medicamentos) faturou R$ 47,01 bilhões, 0,47% do PIB brasileiro, demonstrando o significativo impacto do setor no cenário econômico e um futuro próspero impulsionado pela constante profissionalização e adaptação às novas tendências de consumo. Dessa forma, o mercado de pet shop no Brasil se consolida como um dos setores mais promissores da economia nacional.

Essa pujança se deve ao crescente investimento dos tutores em seus animais de estimação, que cada vez mais são considerados membros da família, e, com isso, há um maior investimento dos donos com produtos e serviços diversificados, indo além da alimentação e incluindo serviços como banho e tosa, transporte, creches, cuidados veterinários e até planos de saúde para os seus pets. Acompanhando esta tendência, 66,0% dos pet shops de Minas Gerais oferecem produtos e serviços e 34,5% dos estabelecimentos contam com o atendimento médico veterinário.

“A relação entre humanos e pets está em constante transformação e o investimento no bem-estar dos animais de estimação encontra-se em constante crescimento. Não obstante, segundo 67,2% dos pet shops, o gasto médio dos seus clientes gira em torno de R$ 25,00 a R$ 100,00. Hoje é observado que o cuidado com os pets vai além da alimentação, atingindo também a busca por banho e tosa, transporte, creches, cuidados veterinários e outros produtos e serviços que garantem uma melhor qualidade de vida para os animais de estimação”, destaca Gabriela Martins, economista da Fecomércio MG.

A pesquisa, que contou com a aplicação de questionários por telefone em uma amostra proporcional de pet shops de Minas Gerais, foi realizada entre os dias 05 e 13 de março de 2024. Foram avaliados 353 estabelecimentos das diversas regiões do estado, o que confere à amostra uma margem de erro de 5,0%, com intervalo de confiança de 95%. Esses dados apontam para uma significativa mudança no cenário econômico dos pet shops em Minas Gerais, impulsionada pela crescente digitalização dos negócios e pela adaptação aos novos padrões de consumo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recomendadas a você

Conab promove o fortalecimento da biodiversidade brasileira
Conab promove o fortalecimento da biodiversidade brasileira
3º Festival gastronômico e cultural valoriza sabores e saberes do sertão mineiro
3º Festival gastronômico e cultural valoriza sabores e saberes do sertão mineiro
Quatro projetos de APLs do Norte receberão recursos da Fapemig
Quatro projetos de APLs do Norte receberão recursos da Fapemig
Artesãos movimentam R$ 115 mil em vendas
Artesãos movimentam R$ 115 mil em vendas
Minas tem novo avanço em energia solar
Minas tem novo avanço em energia solar
Rodas de conversas são realizadas em várias comunidades rurais de Monte Azul
Rodas de conversas são realizadas em várias comunidades rurais de Monte Azul
DLI oferece descontos em produtos e serviços
DLI oferece desconto sem produtos e serviços
Projeto sobre a política de agricultura irrigada gera divergências
Projeto sobre a política de agricultura irrigada gera divergências
Cresce o mercado pet no Estado
Minas tem saldo positivo na geração de empregos
Programa Moeda Pública é uma das soluções desenvolvidas pelo Sebrae
Perfil de venda atrai consumidor
Oito em cada 10 empresários mineiros são impactados pela estação de inverno
Desafios enfrentados pelas fazendas leiteiras contra a mastite
Mais de 300 pessoas já foram capacitadas pelo Norte Empreendedor em menos de dois meses
Dia do apicultor comemorado com boas perspectivas e muitos desafios
PC alerta para notícias falsas sobre carteira de identidade
TJMG participa do anúncio das obras de quartel dos Bombeiros
Polícia Civil lança site sobre desaparecimento de pessoas
Polícia de Meio Ambiente lança Operação “Curupira”
Forças de segurança protestam por reajuste