Governo investe mais de R$ 17 mi na defesa agropecuária

Estão entre as ações, aquisição de drones para monitoramento, rastreamento de frota veicular e treinamentos de corpo técnico do IMA

O ano de 2024 é decisivo para o Governo de Minas que, em 2025, apresentará à Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA), juntamente com o Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), um pleito para que o estado seja reconhecido como livre de febre aftosa sem vacinação. Até o ano que vem, serão investidos mais de R$ 17 milhões em serviços de rastreamento de frota, treinamentos, ações educativas e compra de equipamentos diversos para o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), autarquia vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), responsável pelo monitoramento e defesa sanitária animal e vegetal em Minas Gerais.

Neste ano, está prevista a compra de 25 drones para monitoramento de áreas de difícil acesso e rodovias, com o valor de R$ 600 mil. “A ideia é que consigamos ver onde muitas vezes não conseguimos chegar. Precisamos usar a tecnologia a nosso favor e, por isso, seguimos o exemplo do Mato Grosso do Sul que já utiliza, com sucesso, esses aparelhos em suas ações”, revela Guilherme Negro, médico veterinário e diretor técnico do IMA. Os drones vão permitir que os fiscais do órgão consigam mapear as áreas de maior risco para a sanidade animal de Minas Gerais com agilidade.

Também serão adquiridos sistemas de rastreamento de veículos para que, caso haja uma emergência sanitária, os técnicos mais próximos do local possam atender a propriedade de forma ágil, garantindo que a possível doença seja contida com eficiência. “Poderemos chegar mais rápido a esses locais e atender suspeitas relativas, não só à área animal, mas também vegetal, ou seja, estaremos muito mais preparados para atuar”, completa o diretor técnico.

Além da compra de equipamentos, estão previstos treinamentos para o corpo técnico do IMA. Já em 2023, foram treinados mais de cem profissionais para a identificação de doenças vesiculares, como a febre aftosa, além de pragas da área vegetal, como o cancro cítrico.

Também em 2024, o IMA vai firmar convênio com a Universidade Federal de Lavras (UFLA) para o desenvolvimento de um novo software de defesa agropecuária. O novo sistema, que utilizará inteligência artificial, vem substituir o Sidagro, com mais recursos e agilidade no processamento de dados, o que vai permitir extrair informações com rapidez para a tomada de decisões, além de oferecer ao produtor rural acesso a uma quantidade maior de serviços digitais.

HISTÓRICO DO PLEITO – Em 2021, os investimentos para o pleito se iniciaram com a compra de equipamentos para modernizar e preparar as unidades do IMA. Foram adquiridos computadores de mesa, licenças de softwares, aparelhos telefônicos, entre outros. Já em 2022, houve a aquisição de kits de atendimento, compostos por veículos e equipamentos de informática, como tablets e notebooks, para as 21 coordenadorias regionais e 186 escritórios seccionais do IMA espalhados pelo estado. Ao todo, foram investidos mais de R$ 45 milhões.

Dando sequência às ações para o pleito à OMSA, em 2023, Minas Gerais foi autorizado pelo Mapa a suspender a imunização dos rebanhos do estado contra a febre aftosa. De lá pra cá, o IMA vem cumprindo uma série de exigências e passando por auditorias periódicas do Ministério, todas elas com sucesso.

RETIRADA DA VACINAÇÃO – Até 2022, os produtores mineiros de bovinos e bubalinos tinham de vacinar seus animais contra a febre aftosa em duas etapas, nos meses de maio e novembro. “As campanhas de vacinação contra a doença já vinham sendo realizadas há mais de quarenta anos em nosso estado e, desde 2001, somos reconhecidos como livre da doença com vacinação, o que já era um marco”, conta Guilherme Negro, diretor técnico do IMA.

Com a suspensão da vacinação, no ano passado, os produtores passaram a ter de manter seus dados de rebanho atualizados no instituto. São requeridas informações sobre quantitativos de animais, declaração de nascimentos e mortes, além de atualização cadastral das propriedades. Também são exigidas a comprovação da vacinação contra brucelose, para bezerras de 3 a 8 meses de idade e a informação sobre a vacinação contra raiva dos herbívoros.

A chamada Campanha de Atualização de Rebanhos, acontece nos meses de maio e junho, desde 2023. Além de bovinos e bubalinos, outras espécies precisam ser cadastradas no IMA e terem seus dados atualizados. São elas: galinhas, peixes, abelhas, ovinos e caprinos.

“O produtor rural sempre foi, e sempre será, a peça fundamental nesse processo, pois ele é quem está no dia a dia com os animais. O produtor é quem muitas vezes vai notar o aparecimento de doenças, por isso tem de fazer sua parte, que é notificar ao IMA para que possamos deslocar um médico veterinário para que sejam tomadas as ações necessárias”, completa Negro.

A retirada de vacinação no ano de 2023 foi responsável por uma economia de mais de R$ 700 milhões ao ano para o setor produtivo mineiro, considerando os gastos com imunizantes e pessoal para aplicação, segundo estimativa da Seapa.

Governo investe mais de R$ 17 mi na defesa agropecuária
Governo apresentará pleito para que o estado seja reconhecido como livre de febre aftosa sem vacinação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recomendadas a você

Taiobeiras lança Quarteirão da Moda
Taiobeiras lança Quarteirão da Moda
Estado de Minas conta com R$ 2,46 bi do FNE para 2024
Estado de Minas conta com R$ 2,46 bi do FNE para 2024
Montes Claros encerra bimestre com superávit de 120 empregos
Montes Claros encerra bimestre com superávit de 120 empregos
Presidente da ALMG defende proposta que reduz dívida de Minas
Presidente da ALMG defende proposta que reduz dívida de Minas
Programa Norte Empreendedor começará com palestra no dia 2
Programa Norte Empreendedor começará com palestra no dia 2
Equinox investirá R$ 75 mi na região
Equinox investirá R$ 75 mi na região
Cidade chega a 45,8 mil empresas ativas
Cidade chega a 45,8 mil empresas ativas
Região ganha linha de crédito emergencial
Região ganha linha de crédito emergencial
Poupança tem entrada líquida de R$ 1,3 bi
Fucam recebe capacitação em fruticultura e apicultura
“Comunidade Empreendedora” faz mapeamento no Cidade Cristo Rei
Vice ressalta ações para fortalecer o artesanato
Governo destina R$ 45 milhões para pagamento a extrativistas
Sudene aprova R$ 2,46 bi do FNE para sua área de atuação em Minas
Presidente da AL participada inauguração de complexo mineroindustrial em Minas
Montes Claros fecha o bimestre com 451 empresas constituídas
Governo mapeia demandas do mercado de trabalho
Lava-jato era usado com o ponto de tráfico de drogas
Recurso vai definir se polícia pode criar site para identificar envolvidos
Vaca cai em reservatório de 4 metros de profundidade
TJMG realiza Mutirões do Júri em comarcas do interior de MG