Projeto de R$ 125 mi terá patente local

Tecnologia desenvolvida pela Unimontes é transferida à Acelen para produzir combustível da macaúba

A empresa Acelen Energia Renovável vai usar tecnologia desenvolvida pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) para a germinação de sementes da macaúba no Centro de Inovação e Tecnologia Agroindustrial que o grupo vai instalar no município. A empresa, que faz parte do fundo Mubadala Investment Company, dos Emirados Árabes Unidos, investirá R$ 125 milhões no projeto em Montes Claros, voltado para o desenvolvimento de biocombustíveis por meio da macaúba, contando com o apoio do Governo do Estado de Minas Gerais.

A implantação do empreendimento foi anunciada pelo Governo de Minas durante a COP-28, em novembro de 2023, em Dubai. A Acelen adquiriu um terreno de 150 hectares, onde será construído o centro de pesquisa. O objetivo da empresa é o plantio de 200 mil mudas de macaúba, visando o aproveitamento energético.

O projeto da Acelen prevê a obtenção de dois produtos a partir do óleo do coco de macaúba: o biodiesel renovável, ou diesel verde (HVO), e o Combustível Sustentável da Aviação (SAF). De acordo com a empresa, no Centro de Inovação e Tecnologia em Montes Claros deverão ser gerados cerca de 500 postos de trabalho.

TRANSFERÊNCIA

Na quinta-feira (29/2), foi realizada na Sala dos Conselhos (prédio da reitoria), a solenidade de assinatura do contrato de licenciamento entre a Unimontes e a Acelen Energia Renovável, permitindo à empresa o uso da patente do processo de germinação de palmeiras com dormência fisiológica especialmente Acrocomia aculeata, desenvolvido por pesquisadores da Universidade. Também foi firmado um acordo para o desenvolvimento da “Tecnologia para superação da dormência seminal em macaúba”, que tem como objetivo a aplicação em escala industrial dos protocolos de germinação existentes e o desenvolvimento de novas tecnologias para otimizar a germinação da espécie.

“Este é um dia histórico para a Unimontes. Este é o primeiro licenciamento de uso de uma patente de tecnologia desenvolvida pela Universidade. Mas, temos certeza que estamos tendo uma abertura de portas. Outros licenciamentos de uso de patentes e produtos desenvolvidos na nossa instituição virão. Pois temos um corpo de professores, pesquisadores, acadêmicos e servidores altamente comprometidos com a tecnologia e a inovação”, afirmou o reitor da Unimontes, professor Wagner de Paulo Santiago, ao presidir a solenidade.

O reitor assinou o contrato de licenciamento, juntamente com o gerente de Pesquisa e Desenvolvimento da Acelen Energia Renovável, Dioger Teruel. Participaram o vice-reitor, professor Dalton Caldeira Rocha, a pró-reitora de Pesquisa da Unimontes, professora Maria das Dores Magalhães Veloso; o coordenador do Programa de Pósgraduação Stricto Sensu em Biotecnologia, professor Dario Alves de Oliveira e a coordenadora de Inovação Tecnológica da Unimontes, professora Sara Gonçalves Antunes de Souza.

O ato contou com a presença da equipe de pesquisadores responsável pelo estudo que resultou na patente do protocolo de germinação de sementes de macaúba, licenciado para a empresa multinacional: os professores Leonardo Monteiro Ribeiro e Maria Olivia Mercadante, Vanessa Sales (bolsista de iniciação científica) e Claudiana Agostinho, aluna do Programa de Mestrado em Biotecnologia.

Reitor destaca a importância da pesquisa para a região e Estado

O reitor Wagner de Paulo Santiago ressaltou que o licenciamento da tecnologia desenvolvida pela Unimontes para o empreendimento da Acelen Energia Renovável demonstra a importância da pesquisa produzida na universidade para a região norte-mineira e para o estado de Minas Gerais. “A partir da pesquisa e da inovação tecnológica, a Universidade exerce a sua função transformadora”, afirmou o professor Wagner Santiago. Ele anunciou que, em breve, será implantado um centro de pesquisa em excelência em pesquisa na Unimontes com recursos da Fundação de Amparo do Estado de Minas Gerais (Fapemig).

O vice-reitor, professor Dalton Caldeira Rocha, também enalteceu a importância da parceria entre a Unimontes e a Acelen Energia Renovável no uso da nova tecnologia sobre a germinação de sementes de macaúba no Centro de Inovação e Tecnologia que a empresa vai implantar em Montes Claros. Ele ressaltou que a produção dos biocombustíveis a partir do coco de macaúba valoriza a biodiversidade e as espécies do Cerrado.

Coordenadora de Inovação Tecnológica da Unimontes, a professora Sara Gonçalves Antunes de Souza, disse que, a partir da parceria, pela primeira vez é viabilizada a transferência de tecnologia da Unimontes para uma empresa multinacional que investe no Estado. “Além disso, trata-se da primeira tecnologia transferida para uma empresa por uma universidade estadual em Minas Gerais”, completou a professora Sara Antunes que, por meio da Coordenadoria de Inovação Tecnológica, acompanhou todo o processo, dando apoio aos professores e pesquisadores envolvidos, promovendo a intermediação com a empresa, dentro da política de inovação da Unimontes.

GERMINAÇÃO

A pesquisa realizada na Unimontes sobre a reprodução das palmeiras tem reconhecimento mundial e despertou o interesse da empresa, que propôs o acordo para o licenciamento da patente e transferência de tecnologia. “As sementes da macaúba naturalmente germinam lentamente, para a produção de mudas em larga escala são necessários a aplicação de técnicas para a superação da dormência”, explica o professor Leonardo Monteiro Ribeiro, do Departamento de Biologia Geral Unimontes, coordenador do projeto de pesquisa, que é um dos autores da patente sobre o protocolo da germinação de sementes de macaúba.

“A patente foi produto da dissertação de mestrado da aluna Vanessa Sales, desenvolvido no Programa de Pós-graduação em Biotecnologia da Unimontes”, informa Leonardo Monteiro.

“Tanto o processo de patenteamento, quanto o acordo de inovação celebrado com a empresa só foram possíveis pelo fato de a Unimontes ter uma Coordenadoria de Inovação Tecnológica bem estruturada e que assessora os pesquisadores em todas as fases do desenvolvimento das atividades de inovação”, ressaltou.

GERMINAÇÃO DE SEMENTES PODERÁ ALCANÇAR PERCENTUAIS DE ATÉ 80%

O gerente de Pesquisa e Desenvolvimento da Acelen Energia Renovável, Dioger Teruel, enfatizou a importância da pesquisa e da tecnologia desenvolvidas pela Unimontes sobre a aceleração do processo de germinação da semente de macaúba. Ele disse que, na natureza, a semente de macaúba possui um índice de germinação muito baixo, que oscila entre 3% e 5%.

“A partir da pesquisa e do processo desenvolvido pela equipe de pesquisadores da Unimontes, a germinação das sementes de macaúba poderá alcançar percentuais de 50%, 60% e até 80%, assegurou o gerente de Pesquisa e Desenvolvimento da Acelen Energia Renovável.

Segundo Dioger Teruel, além do aspecto da sustentabilidade ambiental, o projeto da Acelen Energia Renovável no Norte de Minas terá grande impacto na geração de emprego e renda. Segundo ele, o Centro de Inovação e Tecnologia Agroindustrial da empresa em Montes Claros vai gerar em torno de 500 empregos.

Teruel destacou ainda que a unidade vai produzir mudas para o plantio de cerca de 200 mil pés do coco macaúba em fazendas da Acelen no Norte de Minas e na Bahia, motivando a geração de milhares de empregos. Segundo o gerente de pesquisa, a previsão é que a cadeia produtiva do aproveitamento do coco macaúba para a obtenção de óleo combustível possa gerar milhares de empregos na região durante o ciclo produtivo, que deverá ser iniciado dentro de alguns anos.

Projeto de R$ 125 mi terá patente local
O GERENTE da Acelen, Dioger Terual, assinou o contrato observado pelo reitor Wagner de Paulo Santiago e pelo vice-reitor Dalton Caldeira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recomendadas a você

O Governo de Minas atingiu, em abril, a marca de R$ 409 bilhões em investimentos atraídos para o estado desde 2019. Ao todo, foram 709 projetos formalizados em pouco mais de 5 anos, com potencial para gerar mais de 200 mil empregos diretos em pelo menos 269 municípios mineiros. Os principais empreendimentos realizados foram nas áreas de mineração, infraestrutura, energia solar e nos setores ferroviário e automotivo, respectivamente. O Norte de Minas se destaca em investimentos em energia solar, com a implantação de grandes usinas, que geram centenas de postos de trabalho. O Estado recebeu R$ 75 bilhões em investimentos em energia solar fotovoltaica, com parte expressiva na região, através da instalação de usinas para a produção deste tipo de energia, que fortalecem a economia, com a geração de mais empregos. Desta forma, o Norte de Minas contribui para o estado de mantenha em primeiro lugar em nível nacional na geração desta matriz energética. O governo estadual tem incentivado a exploração da solar, cujo crescimento supera às expectativas, sobretudo nos municípios norte-mineiros. Somente em 2024, já foram formalizados 34 novos projetos – somando R$ 21 bilhões em investimentos e mais de 8 mil empregos diretos -, frutos, dentre outros, do trabalho desenvolvido pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Sede-MG) e sua vinculada agência Invest Minas. O governador Romeu Zema, do Novo, salienta que o Estado está cada vez mais aberto e com menos burocracia para quem deseja trazer ou expandir os negócios em Minas. “As empresas estão percebendo este momento que Minas está vivendo, de mais apoio a quem empreende e gera riqueza, e vindo se instalar aqui. Essa política eficaz auxilia inclusive na melhoria de vida das pessoas, oferecendo cada vez mais trabalho e dignidade à população mineira”, enfatiza. O secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio, afirma que este é um fenômeno que não se repetiu em nenhum outro lugar do Brasil. “Antes de 2019, a média anual na atração de investimentos girava em torno de R$ 11 bilhões. De 2019 em diante, na gestão do governador Romeu Zema e do vice-governador Professor Mateus, com dados fechados em fevereiro deste ano, Minas Gerais atraiu um total de R$ 409 bilhões. Ou seja, uma média anual de mais de R$ 80 bilhões em investimentos”, destaca. Fernando Passalio acrescenta que o cenário positivo é fruto do alinhamento entre governo estadual e municípios, a fim de garantir ambientes juridicamente seguros para os investidores e prósperos para a população. FERTILIZANTES - Um dos setores que apresenta grande tendência de crescimento é o de fertilizantes, estando em segundo lugar na lista dos mais promissores de 2024. De acordo com dados da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), Minas Gerais ocupa o primeiro lugar nacional na produção de fertilizantes, com 8,4 milhões de toneladas (Mt), o que representa 62,5% do total nacional. O parque produtor de fertilizantes em Minas Gerais inclui empresas mineradoras/produtoras de matérias-primas, que fornecem produtos intermediários; empresas misturadoras/vendedoras de fertilizantes; e produtoras que atuam como misturadoras e no campo da química. Em grande parte, os complexos industriais estão concentrados, principalmente, nas regiões de Patos de Minas e Uberaba. “É importante destacar que o setor de fertilizantes é estratégico para o Brasil, uma vez que reduz a dependência nacional da importação do produto. As regiões do Alto Paranaíba e do Triângulo Mineiro são grandes polos deste setor. Além de possuírem as jazidas dos nutrientes, têm também benefícios logísticos, devido à proximidade de grandes áreas de produção agrícola”, destaca o presidente da Invest Minas, João Paulo Braga. Eurochem, Mosaic, Nutrien, Yara, Verde Fertilizantes, KP Fértil são empresas que recentemente investiram na região. A planta da Eurochem, por exemplo, irá produzir 15% da produção nacional de fertilizantes fosfatados. OUTROS DESTAQUES - A área de minerais críticos ocupa o terceiro lugar, levando desenvolvimento para regiões como o Vale do Jequitinhonha e Mucuri, por meio do Vale do Lítio. De 2019 até hoje, foram atraídos R$ 9,8 bilhões em investimentos nessa área, sendo aproximadamente 32% desse montante (R$ 3,2 bilhões) formalizados no ano passado, como é o caso da Sigma Mineração e da MG LIT. Em quarto lugar, vem o setor de fármacos, com destaque especial para o Sul de Minas, atraindo grandes empresas como a Medley, Eudora (do grupo O Boticário), Eurofarma, Carestream, União Química, Biotronik e Cellera.
Estado atrai R$ 75 bi em energia solar
Estado consolida liderança nacional em energia solar
Estado consolida liderança nacional em energia solar
Grão Mogol vira exemplo de transformação do turismo
Grão Mogol vira exemplo de transformação do turismo
Lançamento da 29ª edição da Fenics será na próxima terça
Lançamento da 29ª edição da Fenics será na próxima terça
Hipolabor investirá mais R$ 40 milhões
Hipolabor investirá mais R$ 40 milhões
Agricultores atingidos pela seca começam a colher feijão na região
Agricultores atingidos pela seca começam a colher feijão na região
Entidades se reúnem com subsecretário de Estado
Entidades se reúnem com subsecretário de Estado
Cidade teve mais 487 empresas abertas
Cidade teve mais 487 empresas abertas
Emater realizará seminário sobre fruticultura no dia 3
Mercado estima PIB de 1,9%, revela boletim Focus
Setor de seguros cresce no Brasil
Secretaria apresenta políticas públicas do setor agropecuário
Novo Nordisk e Elétron formatam contrato para usina de R$ 245 mi
Poupança tem entrada líquida de R$ 1,3 bi
Fucam recebe capacitação em fruticultura e apicultura
“Comunidade Empreendedora” faz mapeamento no Cidade Cristo Rei
Emater investe R$ 2,6 mi em qualificação de colaboradores
Reforço na fiscalização ambiental em Minas
Dupla detida suspeita de tráfico de drogas
Homem condenado a 14anos de prisão por homicídio
Pássaros da fauna silvestre apreendidos