Ocorrências de queimadas mais que dobraram em um mês em MG

Em maio de 2024, Minas Gerais registrou 3.063 casos de incêndios em vegetação. Em relação a abril deste ano, houve um aumento de 136%, de acordo com dados do Corpo de Bombeiros Militar.

Em maio de 2024, Minas Gerais registrou 3.063 casos de incêndios em vegetação. Em relação a abril deste ano, houve um aumento de 136%, de acordo com dados do Corpo de Bombeiros Militar. Quando comparado ao mesmo período no ano passado, os números mostram que as ocorrências dobraram: em maio do ano passado foram 1.595 registros de queimadas. Especialistas atribuem essa realidade ao aumento das temperaturas e atividades humanas.

Claudemir Azevedo, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), explica que o período de estiagem, de abril a setembro, é propício para casos de incêndios de vegetação, mas este ano as ocorrências foram atípicas. Entre as razões para isso, ele cita consequências do fenômeno El Niño, como as ondas de calor e tempestades. “Pancadas de chuvas, além de mal distribuídas, dificultam a reposição de água do lençol freático”, diz Claudemir. Ele explica que chuvas na época de primavera e verão, associadas a zona de convergência do Atlântico Sul, costumam ser contínuas e bem distribuídas no espaço, diferentemente do que foi registrado.

Além disso, explica que o comportamento do regime pluviométrico impactou diretamente na condição do aumento de incêndios pela reincidência de dias sem chuvas, principalmente nas regiões Norte e Central de Minas. Para exemplificar, o meteorologista destaca municípios como Curvelo, que está a 64 dias consecutivos sem chuvas; Montes Claros e Januária, cada um com 58 dias e até mesmo na capital mineira, que desde o dia 19 de abril não tem registros de precipitações. Claudemir afirma que no período de seca, que deve perdurar até setembro, a probabilidade de incêndios de vegetação também deve ser alta.

AÇÃO HUMANA – Tenente do CBMMG, Henrique Barcellos explica que incêndios de vegetação são esperados pela corporação na época de estiagem, mas não logo nos primeiros meses e nessa magnitude, como aconteceu este início de ano. Ele destaca a baixa umidade e as altas temperaturas como fatores chave para propiciar “queimadas” decorrentes de ações humanas, principal causadora.

O tenente informa que “incêndios de vegetação estão sendo registrados principalmente em áreas urbanas não protegidas e lotes vagos”. Ele explica que usar as chamas para limpeza de locais com mato é comum, assim como a perda de controle, ocasionando o alastramento do fogo. Henrique Barcellos também relata que a prática de queimadas de montantes de lixo às margens de rodovias próximas à vegetação são casos recorrentes, assim como o descarte inadequado de cigarros.

Apesar do impacto menos expressivo, o tenente cita também práticas relacionadas ao ecoturismo, como descarte de cigarros após trilhas ou brasas da fogueira após um acampamento. Quanto aos incêndios em áreas rurais, o tenente os associa ao manejo do fogo para expansão do pasto para gado e renovação para troca de plantio.

Com o objetivo de mitigar e prevenir incêndios em lotes vagos, o CBM realiza anualmente a Operação Alerta Verde. “O objetivo é vistoriar lotes vagos, inclusive aqueles que registraram incêndios em outros anos. Fazemos o levantamento de quanto aquele local é vulnerável, se há presença de mato, se falta proteção, e enviamos à prefeitura via boletim de ocorrência para que o cidadão seja autuado”, explica Barcellos.

“É fundamental destacar que muitos incêndios em lotes vagos poderiam ser evitados com maior esforço e envolvimento comunitário, especialmente no apoio à fiscalização e na denúncia de práticas irregulares”, diz a corporação em anúncio da operação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recomendadas a você

TJMG participa do anúncio das obras de quartel dos Bombeiros
TJMG participa do anúncio das obras de quartel dos Bombeiros
Copasa investe R$ 10 milhões em obras de abastecimento de água
Copasa investe R$ 10 milhões em obras de abastecimento de água
Polícia Civil vai investigar incêndio em universidade
Polícia Civil vai investigar incêndio em universidade
Sebrae Minas e APACS realizam 1º Seminário da Cachaça em Salinas
Sebrae Minas e APACS realizam 1º Seminário da Cachaça em Salinas
Congresso da AMM reúne prefeitos
Congresso da AMM reúne prefeitos
Setenta mulheres são capacitadas para montagem de trackers solares
Setenta mulheres são capacitadas para montagem de trackers solares
Copasa garante recursos para universalizar saneamento
Copasa garante recursos para universalizar saneamento
Sexagenário desaparecido é encontrado em Bocaiúva
Sexagenário desaparecido é encontrado em Bocaiúva
Dirigentes se reúnem para votar porte de arma para advogados
Ocorrências de queimadas mais que dobraram em um mês em MG
Posto do Sine disponibiliza 92 vagas de empregos na cidade
CBM anuncia concurso com 329 vagas em Minas
Comunidades recebem Programa Água Doce
Município adia início do prazo de inscrições para o dia 1º de julho
Adolescente chama bombeiros ao ver cobra em refrigerador
Sudene quer criar Rede para fomentar inovação na região
PC alerta para notícias falsas sobre carteira de identidade
TJMG participa do anúncio das obras de quartel dos Bombeiros
Polícia Civil lança site sobre desaparecimento de pessoas
Polícia de Meio Ambiente lança Operação “Curupira”
Forças de segurança protestam por reajuste