Novo Nordisk e Elétron formatam contrato para usina de R$ 245 mi

A gigante farmacêutica Novo Nordisk, fabricante do Ozempic e principal produtora de insulina do mundo, assinou um contrato para a criação de um parque solar no Norte de Minas Gerais para suprir a necessidade da unidade de medicamentos de Montes Claros.

A gigante farmacêutica Novo Nordisk, fabricante do Ozempic e principal produtora de insulina do mundo, assinou um contrato para a criação de um parque solar no Norte de Minas Gerais para suprir a necessidade da unidade de medicamentos de Montes Claros. O contrato da fabricante dinamarquesa com a Elétron Energy, empresa que investirá R$ 245 milhões no negócio – incluindo o parque e o projeto com benefícios para o ambiente e a comunidade local -, tem validade de 15 anos.

A fábrica de Montes Claros, que produz 25% da insulina da Novo Nordisk – o que significa 12% do total do mundo -, passará a gerar 100% da energia que consome com a instalação do sistema. “O projeto faz parte da estratégia de circularidade da Novo no sentido de não deixar nenhum impacto ambiental até 2030, principalmente com a parte de CO2”, afirmou Reinaldo Costa, vice-presidente corporativo da fábrica da Novo Nordisk.

A ser instalado em Buritizeiro, município distante 175 quilômetros da sede da Novo Nordisk em Montes Claros, o parque solar tem previsão de gerar 138 mil MWh/ano, conforme a empresa, com possibilidade de ampliação. O local foi escolhido, segundo Costa e o CEO da Elétron Energy, André Cavalcanti, por ser uma área já degradada, por Buritizeiro ser um município pobre do Norte de Minas e pelo fato de a área selecionada permitir a conexão com as linhas de transmissão da Cemig.

“A gente tinha conseguido um terreno mais próximo da fábrica, mas não era um terreno já degradado e não queríamos fazer isso num terreno não degradado porque há impacto ambiental. Escolhemos o terreno mais próximo já degradado, que a gente poderia aproveitar o espaço e ainda fazer a recuperação da área. Esse foi o principal fator”, disse o executivo da fabricante. O modelo de negócio adotado pelas empresas foi a chamada autoprodução de energia, por meio da qual a Novo Nordisk remunerará a Elétron Energy durante a vigência do contrato.

“É o arrendamento do sistema de geração de energia que é feito pela Novo, para ela autogerar a sua própria energia. E, com o contrato de arrendamento, de operação e manutenção de serviços que a gente presta para eles, eles vão nos remunerar durante esses 15 anos de contrato para, além de alugar o sistema, mantê-lo funcionando e gerando energia por esse prazo”, disse Cavalcanti.

Do total investido pela Elétron Energy, 50% será de recursos próprios e, o restante, via financiamento do Banco do Nordeste. O projeto já está aprovado e licenciado ambientalmente e os processos de limpeza da área e terraplenagem foram iniciados no município de pouco menos de 24 mil habitantes. A construção da usina deve gerar 1.300 empregos, sendo 300 indiretos, conforme o CEO da empresa de energia. Ele disse que cerca de 80% dos contratados serão da cidade e de municípios vizinhos.

Cavalcanti afirmou que o projeto foi desenhado em conjunto pelas companhias e é diferente dos que existem no país e outros da própria Elétron, por ter um apelo ambiental complementar à geração de energia. No mesmo terreno das placas haverá replantio, cultura de hidroponia e criação de abelhas nativas sem ferrão. O projeto prevê, ainda, a recuperação e plantio de árvores nativas e espaço ecológico revitalizado numa área de 40 hectares (56 campos de futebol) na cidade mineira.

Serão instaladas 93 mil placas solares, que se adaptam para ficar sempre apontadas para o sol, captando energia em todos os horários do dia e aumentando a eficiência energética. A empresa alega que o uso da energia renovável na produção de medicamentos permitirá reduzir 46 mil toneladas de CO2 por ano e que a meta é descarbonizar a sua produção no país.

A usina deve começar a operar em maio de 2025, com uso das linhas da Cemig para colocar a energia na rede, e a previsão da Novo Nordisk é de, em 15 anos, reduzir em 8% ao ano os gastos com energia. (Por Marcelo Toledo – Matéria publicada no Diário do Comércio).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recomendadas a você

Conab promove o fortalecimento da biodiversidade brasileira
Conab promove o fortalecimento da biodiversidade brasileira
3º Festival gastronômico e cultural valoriza sabores e saberes do sertão mineiro
3º Festival gastronômico e cultural valoriza sabores e saberes do sertão mineiro
Quatro projetos de APLs do Norte receberão recursos da Fapemig
Quatro projetos de APLs do Norte receberão recursos da Fapemig
Artesãos movimentam R$ 115 mil em vendas
Artesãos movimentam R$ 115 mil em vendas
Minas tem novo avanço em energia solar
Minas tem novo avanço em energia solar
Rodas de conversas são realizadas em várias comunidades rurais de Monte Azul
Rodas de conversas são realizadas em várias comunidades rurais de Monte Azul
DLI oferece descontos em produtos e serviços
DLI oferece desconto sem produtos e serviços
Projeto sobre a política de agricultura irrigada gera divergências
Projeto sobre a política de agricultura irrigada gera divergências
Cresce o mercado pet no Estado
Minas tem saldo positivo na geração de empregos
Programa Moeda Pública é uma das soluções desenvolvidas pelo Sebrae
Perfil de venda atrai consumidor
Oito em cada 10 empresários mineiros são impactados pela estação de inverno
Desafios enfrentados pelas fazendas leiteiras contra a mastite
Mais de 300 pessoas já foram capacitadas pelo Norte Empreendedor em menos de dois meses
Dia do apicultor comemorado com boas perspectivas e muitos desafios
PC alerta para notícias falsas sobre carteira de identidade
TJMG participa do anúncio das obras de quartel dos Bombeiros
Polícia Civil lança site sobre desaparecimento de pessoas
Polícia de Meio Ambiente lança Operação “Curupira”
Forças de segurança protestam por reajuste