Montes Claros encerra bimestre com superávit de 120 empregos

Com superávit de quase 400 empregos formais, o setor de Serviços voltou a se destacar na abertura de vagas no mercado de trabalho em fevereiro e no ano já são quase 900 postos positivos.

Com superávit de quase 400 empregos formais, o setor de Serviços voltou a se destacar na abertura de vagas no mercado de trabalho em fevereiro e no ano já são quase 900 postos positivos. Na contramão desta realidade, os segmentos agropecuário, industrial e comercial fecharam o segundo mês do ano no vermelho. Em fevereiro, as atividades econômicas de Montes Claros fizeram 4.481 admissões contra 4.363 demissões e superávit de 118 empregos (0,13%) com carteira assinada.

Entre os homens, foram 2.461 contratações ante a 2.421 desligamentos e saldo de 40 vagas. Já entre as mulheres, foram 2.019 admissões contra 1.942 afastamentos e superávit de 77 empregos. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados na quarta-feira (27/3) pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Com o desempenho do primeiro bimestre, Montes Claros alcançou o estoque de 93.580 trabalhadores ocupados com carteira assinada. Levando-se em conta o total de 45.844 empresas ativas, são dois empregos para cada firma constituída na cidade.

Em fevereiro, o setor de Serviços liderou folgadamente em admissões. A atividade fez 2.594 contratações ante a 2.196 demissões e saldo de 398 empregos (0,83%). O segundo melhor desempenho foi o da Construção Civil, com 525 admissões contra 414 afastamentos e superávit de 111 vagas no mercado de trabalho (1,83). A Agropecuária, que vinha definhando em abertura de postos de empregos, fechou fevereiro no azul. A atividade fez 99 contratações ante a 91 demissões e saldo de 8 vagas (0,31%).

Já os outros dois maiores segmentos fecharam o segundo mês do ano no vermelho. Mais uma vez, a Indústria da Transformação foi a frustração. O setor fez apenas 271 admissões contra 544 desligamentos e déficit de 273 postos (-2,25%). O Comércio, que outrora era o maior empregador de Montes Claros, contratou 992 trabalhadores, mas demitiu 1.118 pessoas, com déficit de 126 vagas (-0,52%).

DESEMPENHO ANUAL

Quando o assunto é o desempenho anual, a geração de empregos em Montes Claros teve uma boa evolução entre janeiro e fevereiro. No primeiro bimestre, foram 8.701 contratações ante a 8.581 demissões e superávit de 120 empregos (0,13%). O setor de Serviços lidera, com 5.095 admissões contra 4.266 afastamentos e saldo de 829 postos no mercado de trabalho (1,73%). A Construção Civil aparece em seguida com a contratação de 1.113 operários ante 803 demissões, com saldo de 310 empregos (5,27%).

Já os demais setores estão no vermelho. Em janeiro e fevereiro, a Indústria da Transformação admitiu apenas 483 operários e demitiu enfatizou. Além do FNE, o FDNE, com um orçamento de R$ 1,2 bilhão para este ano, também prioriza o semiárido. As diretrizes espaciais aprovadas pelo Conselho Deliberativo da Sudene elegem, entre os critérios para definição das áreas prioritárias, municípios que estejam localizados no semiárido. A estimativa dos impactos econômicos do FNE em 2024 para toda 1.157, com déficit de 674 postos (- 5,37%). O Comércio fez 1.821 admissões contra 2.130 desligamentos e déficit de 309 empregos (- 1,26%). Por sua vez, a Agropecuária fez 189 admissões ante a 225 demissões e saldo negativo de 36 vagas (-1,39%).

ESTOQUE

Montes Claros alcançou em fevereiro o estoque de 93.580 empregos formais, com liderança do setor de Serviços, aquele que o cidadão paga e não leva para casa a não ser o benefício. A atividade coleciona 48.832 empregados com carteira assinada. O Comércio, apesar do desempenho ruim em fevereiro, tem 24.134 4mpregos estocadas. Na Indústria da Transformação são 11.866 empregados ocupados com carteira assinada. A Construção Civil alcançou o estoque de 6.188 empregos e a Agropecuária a marca de 2.560 trabalhadores empregados formais.

Montes Claros encerra bimestre com superávit de 120 empregos
O SETOR de Serviços foi novamente o destaque na geração de empregos formais em Montes Claros

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recomendadas a você

O Governo de Minas atingiu, em abril, a marca de R$ 409 bilhões em investimentos atraídos para o estado desde 2019. Ao todo, foram 709 projetos formalizados em pouco mais de 5 anos, com potencial para gerar mais de 200 mil empregos diretos em pelo menos 269 municípios mineiros. Os principais empreendimentos realizados foram nas áreas de mineração, infraestrutura, energia solar e nos setores ferroviário e automotivo, respectivamente. O Norte de Minas se destaca em investimentos em energia solar, com a implantação de grandes usinas, que geram centenas de postos de trabalho. O Estado recebeu R$ 75 bilhões em investimentos em energia solar fotovoltaica, com parte expressiva na região, através da instalação de usinas para a produção deste tipo de energia, que fortalecem a economia, com a geração de mais empregos. Desta forma, o Norte de Minas contribui para o estado de mantenha em primeiro lugar em nível nacional na geração desta matriz energética. O governo estadual tem incentivado a exploração da solar, cujo crescimento supera às expectativas, sobretudo nos municípios norte-mineiros. Somente em 2024, já foram formalizados 34 novos projetos – somando R$ 21 bilhões em investimentos e mais de 8 mil empregos diretos -, frutos, dentre outros, do trabalho desenvolvido pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Sede-MG) e sua vinculada agência Invest Minas. O governador Romeu Zema, do Novo, salienta que o Estado está cada vez mais aberto e com menos burocracia para quem deseja trazer ou expandir os negócios em Minas. “As empresas estão percebendo este momento que Minas está vivendo, de mais apoio a quem empreende e gera riqueza, e vindo se instalar aqui. Essa política eficaz auxilia inclusive na melhoria de vida das pessoas, oferecendo cada vez mais trabalho e dignidade à população mineira”, enfatiza. O secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio, afirma que este é um fenômeno que não se repetiu em nenhum outro lugar do Brasil. “Antes de 2019, a média anual na atração de investimentos girava em torno de R$ 11 bilhões. De 2019 em diante, na gestão do governador Romeu Zema e do vice-governador Professor Mateus, com dados fechados em fevereiro deste ano, Minas Gerais atraiu um total de R$ 409 bilhões. Ou seja, uma média anual de mais de R$ 80 bilhões em investimentos”, destaca. Fernando Passalio acrescenta que o cenário positivo é fruto do alinhamento entre governo estadual e municípios, a fim de garantir ambientes juridicamente seguros para os investidores e prósperos para a população. FERTILIZANTES - Um dos setores que apresenta grande tendência de crescimento é o de fertilizantes, estando em segundo lugar na lista dos mais promissores de 2024. De acordo com dados da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), Minas Gerais ocupa o primeiro lugar nacional na produção de fertilizantes, com 8,4 milhões de toneladas (Mt), o que representa 62,5% do total nacional. O parque produtor de fertilizantes em Minas Gerais inclui empresas mineradoras/produtoras de matérias-primas, que fornecem produtos intermediários; empresas misturadoras/vendedoras de fertilizantes; e produtoras que atuam como misturadoras e no campo da química. Em grande parte, os complexos industriais estão concentrados, principalmente, nas regiões de Patos de Minas e Uberaba. “É importante destacar que o setor de fertilizantes é estratégico para o Brasil, uma vez que reduz a dependência nacional da importação do produto. As regiões do Alto Paranaíba e do Triângulo Mineiro são grandes polos deste setor. Além de possuírem as jazidas dos nutrientes, têm também benefícios logísticos, devido à proximidade de grandes áreas de produção agrícola”, destaca o presidente da Invest Minas, João Paulo Braga. Eurochem, Mosaic, Nutrien, Yara, Verde Fertilizantes, KP Fértil são empresas que recentemente investiram na região. A planta da Eurochem, por exemplo, irá produzir 15% da produção nacional de fertilizantes fosfatados. OUTROS DESTAQUES - A área de minerais críticos ocupa o terceiro lugar, levando desenvolvimento para regiões como o Vale do Jequitinhonha e Mucuri, por meio do Vale do Lítio. De 2019 até hoje, foram atraídos R$ 9,8 bilhões em investimentos nessa área, sendo aproximadamente 32% desse montante (R$ 3,2 bilhões) formalizados no ano passado, como é o caso da Sigma Mineração e da MG LIT. Em quarto lugar, vem o setor de fármacos, com destaque especial para o Sul de Minas, atraindo grandes empresas como a Medley, Eudora (do grupo O Boticário), Eurofarma, Carestream, União Química, Biotronik e Cellera.
Estado atrai R$ 75 bi em energia solar
Estado consolida liderança nacional em energia solar
Estado consolida liderança nacional em energia solar
Grão Mogol vira exemplo de transformação do turismo
Grão Mogol vira exemplo de transformação do turismo
Lançamento da 29ª edição da Fenics será na próxima terça
Lançamento da 29ª edição da Fenics será na próxima terça
Hipolabor investirá mais R$ 40 milhões
Hipolabor investirá mais R$ 40 milhões
Agricultores atingidos pela seca começam a colher feijão na região
Agricultores atingidos pela seca começam a colher feijão na região
Entidades se reúnem com subsecretário de Estado
Entidades se reúnem com subsecretário de Estado
Cidade teve mais 487 empresas abertas
Cidade teve mais 487 empresas abertas
Emater realizará seminário sobre fruticultura no dia 3
Mercado estima PIB de 1,9%, revela boletim Focus
Setor de seguros cresce no Brasil
Secretaria apresenta políticas públicas do setor agropecuário
Novo Nordisk e Elétron formatam contrato para usina de R$ 245 mi
Poupança tem entrada líquida de R$ 1,3 bi
Fucam recebe capacitação em fruticultura e apicultura
“Comunidade Empreendedora” faz mapeamento no Cidade Cristo Rei
Emater investe R$ 2,6 mi em qualificação de colaboradores
Reforço na fiscalização ambiental em Minas
Dupla detida suspeita de tráfico de drogas
Homem condenado a 14anos de prisão por homicídio
Pássaros da fauna silvestre apreendidos