[views count="1" print="0"]

Deputado cobra demandas do agro

Gil Pereira preside audiência com Cemig, entidades e produtores rurais

“A audiência pública da Comissão de Minas e Energia atingiu seus objetivos. Além de prefeitos e entidades representativas, participaram do debate com a Cemig dezenas de produtores rurais de João Pinheiro e do Noroeste de Minas Gerais, que apresentaram suas demandas em relação aos serviços prestados à região”. A declaração é do deputado Gil Pereira, do PSD, que preside a Comissão, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, destacando também que os representantes da Companhia “perceberam a necessidade de se garantir prioridade e celeridade às obras de subestações regionais, incluindo a instalação das SEs João Pinheiro 3 e 4 e a ampliação da SE João Pinheiro 1”, disse o parlamentar, citando o Requerimento de Comissão (RQC) 3987/23.

Através do RQC 3983/23, Gil Pereira e outros parlamentares também solicitaram à Cemig que seja realizada, em caráter emergencial, vistoria das linhas de energia elétrica no município de João Pinheiro, diante das reiteradas reclamações dos produtores rurais e consumidores, nesta e em audiências anteriores. Já o RQC 3985/23, também aprovado na reunião, pede que seja realizada audiência pública para debater os problemas relacionados ao fornecimento de energia elétrica e sua qualidade no município de Paracatu (Nordeste do Estado).

PROBLEMAS E PREJUÍZOS – Perda de lavouras e de leite; animais sem ordenha e pivôs de irrigação e outros equipamentos movidos a geradores (diesel) ou parados; usinas solares fotovoltaicas prontas, mas sem conexão à rede elétrica de distribuição. A relação de problemas e prejuízos foi apresentada por produtores rurais do Noroeste de Minas, que reclamam da má qualidade da energia da Cemig na região.

A história do produtor rural Hebert Couto ilustra a de muitos outros: teve prejuízo de R$ 200 mil só com a lavoura de abóbora, em grande parte porque não a irrigou, pois a fazenda não dispõe de energia suficiente para tocar os pivôs. Sua usina fotovoltaica está pronta e deveria ter sido ligada há mais de um ano, conforme contrato quitado com a Cemig.

“Eu pago energia e deixo de receber a que está sendo produzida inutilmente na usina (sem conexão). Ainda pago o empréstimo que fiz para construir sua estrutura. Muitas vezes, falta uma fase na rede e isso queima os motores”, relatou ele. Recentemente, o produtor quase perdeu a outorga de água, justamente porque o sistema de irrigação não está funcionando.

POTENCIAL E GARGALOS – Apesar de apresentarem seus questionamentos, convidados também ressaltaram o grande potencial do Noroeste do Estado para ampliação das áreas cultivadas. “Temos área, temos gente, mas não temos energia”, reclamou o diretor do Sindicato Rural de João Pinheiro, Carlos Eduardo Furtado (Cadu).

A presidente da Associação dos Produtores Rurais e Irrigantes, Rowena Betina Petroll, fez levantamento com seus afiliados, a pedido da Cemig, e encontrou quatro tipos de gargalos: “Produtores sofrem com a qualidade da energia, há os que querem ampliar o consumo e não conseguem, os que fizeram contratos de ampliação e aguardam, além dos que já pagaram os contratos e enfrentam atrasos”.

O prefeito de Paracatu, Igor Pereira dos Santos afirmou que somente naquele município há 700 pessoas convivendo com a oscilação na energia elétrica. Também participaram, dentre outros, o prefeito de João Pinheiro, Edmar Xavier Maciel; o presidente do Sindicato Rural de João Pinheiro, Geraldo Ferreira Porto Neto; o presidente da Agência de Desenvolvimento de João Pinheiro (Adesjop), Arthur Melo; e o presidente da Associação Comercial e Empresarial (ACE – João Pinheiro), Júlio César Moreira.

CEMIG – O gerente de Relacionamento com Clientes de Geração Distribuída (GD) da Cemig, Marcelo Foureaux, representando o presidente, Reynaldo Passanezi, informou que o plano de investimentos para o Noroeste de Minas Gerais prevê salto de R$ 380 milhões, entre 2018 e 2022, para R$ 820 milhões, de 2023 a 2027: “Porém, das sete subestações previstas para o primeiro período, somente três foram entregues, duas devem ser concluídas neste ano e outras duas, em 2024. A elas vão se somar outras dez subestações projetadas para o ciclo 2023-2027”, afirmou.

O técnico culpou a pandemia pelos atrasos no cronograma do primeiro ciclo. Para João Pinheiro, os investimentos devem sair de R$ 28 milhões para R$ 56 milhões: “Duas novas subestações estão previstas, mas apenas para o primeiro semestre de 2025”, encerrou.

Deputado cobra demandas do agro
O diretor do Sindicato Rural de João Pinheiro, Carlos Eduardo Furtado, com o deputado Gil Pereira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recomendadas a você

Vereadores destacam seminário que revela clima árido na região
Vereadorese revela clima árido na região
Minas Gerais larga na frente rumo à COP 30
Minas Gerais larga na frente rumo à COP 30
Bancada cobra ações para enfrentar a seca
Bancada cobra ações para enfrentar a seca
Santiago destaca união para construção de ponte
Santiago destaca união para construção de ponte
Amams celebra reconhecimento de emergência
Amams celebra reconhecimento de emergência
Montes-clarense assume presidência do CNPG
Montes-clarense assume presidência do CNPG
Condel da Sudene aprova financiamento do FNE
Condel da Sudene aprova financiamento do FNE
Dólar dispara para R$5,43 após desgaste de Haddad com Senado e discurso de Lula
Dólar dispara para R$5,43 após desgaste de Haddad com Senado e discurso de Lula
Prefeituras recebem R$ 3,9 bilhões de FPM
Minas cobra recursos de concessões ferroviárias proporcionais à sua malha
Lula defende taxação de super-ricos
Câmara homenageia Usina de Biocombustível Darcy Ribeiro
Amams sediará capacitação de programa para prefeituras
Vereadores destacam obras de mobilidade
Câmara quer aposentadoria especial para caminhoneiros
Prefeituras receberam primeiro FPM de junho
Prefeituras recebem R$ 3,9 bilhões de FPM
Minas cobra recursos de concessões ferroviárias proporcionais à sua malha
Vereadorese revela clima árido na região
Minas Gerais larga na frente rumo à COP 30
Região já tem municípios no clima árido