Condomínio responsabilizado por acidente com criança

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) manteve a sentença da Comarca de Montes Claros, que condenou duas empresas responsáveis por um condomínio residencial a indenizar uma família cujo filho se feriu com arame farpado da cerca do residencial.

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) manteve a sentença da Comarca de Montes Claros, que condenou duas empresas responsáveis por um condomínio residencial a indenizar uma família cujo filho se feriu com arame farpado da cerca do residencial. Cada um dos pais deve receber R$ 2 mil por danos morais e o menino, a mesma quantia, acrescida de R$ 4 mil por danos estéticos, totalizando R$ 10 mil.

Segundo o processo, o menino, então com 9 anos, estava andando de bicicleta na área do condomínio, onde a família tinha um imóvel, e se chocou contra uma cerca de arame farpado instalada próximo ao meio-fio. O garoto ficou com várias cicatrizes permanentes, inclusive no rosto.

As empresas responsáveis pelo condomínio se defenderam sob o argumento de que não havia nexo de causalidade entre o acidente e a conduta delas. Argumentaram ainda que nenhuma obrigação legal ou contratual exigia a colocação de passeio ou placa de identificação no trecho. Por fim, sustentaram que a alta velocidade com que o garoto andava de bicicleta provocou o acidente.

Esses argumentos não convenceram o juiz da 5ª Vara Cível da Comarca de Montes Claros, que condenou as empresas e fixou a quantia total de R$ 10 mil a ser paga à família em reparação pelo ocorrido. As partes recorreram da sentença, mas o relator dos recursos, desembargador Valdez Leite Machado, manteve a decisão.

O magistrado, baseado em provas testemunhais, considerou que as rés agiram com imprudência “ao instalar uma cerca de arame farpado, rente ao meio-fio, em uma das laterais do condomínio, a despeito de todo o resto do empreendimento ser cercado com arame liso, conforme se depreende das fotografias e da prova testemunhal colhida”.

O relator afirmou ainda que não havia sinalização de perigo no local, sendo que as empresas sabiam da circulação de transeuntes na área, inclusive de filhos dos moradores, que frequentemente passeavam e brincavam nas imediações, o que foi confirmado pelo depoimento das testemunhas.

As desembargadoras Evangelina Castilho Duarte e Cláudia Maia votaram de acordo com o relator.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recomendadas a você

Emater investe R$ 2,6 mi em qualificação de colaboradores
Emater investe R$ 2,6 mi em qualificação de colaboradores
DPMG realizará mutirão em São Francisco
DPMG realiza Mutirão das Famílias nesta sexta
Fórum abordará influência das redes na carreira profissional
Fórum abordará influência das redes na carreira profissional
Lote sujo preocupa moradores e comerciantes
Lote sujo preocupa moradores e comerciantes
Empresa vencedora vai executar obra de cratera
Empresa vencedora vai executar obra de cratera
Entidades empresariais realizam o Acelera 3.0 na cidade no dia 22
Entidades empresariais realizam o Acelera 3.0 na cidade no dia 22
Com uso de drone, homem desaparecido é encontrado
Com uso de drone, homem desaparecido é encontrado
Obra da ponte do JK avança e deverá ser concluída em maio
Obra da ponte do JK avança e deverá ser concluída em maio
Jovem que ingeriu colher deixa hospital sem finalizar tratamento
Projeto MP em Movimento será lançado hoje em MOC
TRE instala posto temporário na Assembleia Legislativa
Amams promoverá encontro para discutir assistência social
Januária passará por inspeção técnica na Comarca
Lançamento será em Montes Claros no dia 18
Secretário exalta relevância de programa que atende a região
TJMG realiza Mutirões do Júri em comarcas do interior de MG
Emater investe R$ 2,6 mi em qualificação de colaboradores
Reforço na fiscalização ambiental em Minas
Dupla detida suspeita de tráfico de drogas
Homem condenado a 14anos de prisão por homicídio
Pássaros da fauna silvestre apreendidos